Black Panthers

The Black Panther Party for Self-Defense

"O Black Panther Party for Self-Defense foi fundado em Oakland (Califórnia) em 1966 por Bobby Seale e Huey Newton. Os objectivos primários do partido consistiam na organização de grupos de auto-defesa para a protecção das comunidades minoritárias contra a opressão do estado, e a promoção de uma mudança social revolucionária, através da organização em massa das comunidades e da emancipação da classe operária. (...) A base ideológica do partido tem raízes na doutrina tardia de Malcom X que advoga uma união internacional da classe trabalhadora, e a solidariedade entre grupos revolucionários de causas e etnias diversas. (...) Uma importante influência teórica para o Black Panther Party terá sido o Livro Vermelho de Mao Tse-Tung, cuja leitura estabelece o partido enquanto vanguarda revolucionária que procura fundar uma frente de acção conjunta e liderar as massas em direcção à reapropriação dos meios de produção. A posição anti-capitalista do partido é ainda reafirmada face ao passado histórico de exploração dos negros, cuja marcada raiz económica é apontada pelos membros do partido. A acção do Black Panther Party gravita em torno destes pressupostos políticos, mas não ignora os graves problemas sociais que afectam as comunidades negras. (...) Para além da acção directa desenvolvida junto das comunidades, o partido colocou em circulação a 25 de Abril de 1967 o primeiro número do jornal semanário The Black Panther, que se tornou um dos seus meios privilegiados de comunicação. Nas sua páginas apareceram inúmeras ilustrações de Emory Douglas, Ministro da Cultura dos Black Panthers, responsável pelo arranjo gráfico energético e inovador do jornal. (...) Mais tarde, o The Black Panther passou ainda a incluir uma secção de International News (...). Nesta secção é possível encontrar algumas notícias sobre as lutas de grupos anti-colonialistas lusófonos, com especial destaque para o MPLA, PAIGC e FRELIMO. O percurso do Black Panther Party foi marcado por constantes ataques policiais e forte vigilância por parte do FBI (...) dentro da acção repressiva levada a cabo pelo FBI e pela polícia conta-se o assassinato de vários membros proeminentes dos Black Panthers, o envio de cartas forjadas, o uso de agenetes infiltrados, agents provocateurs e a disseminação de drogas dentro das comunidades. Praticamente todos os membros do partido estiveram presos, muitas vezes em resultado de falsas acusações e no seguimento de julgamentos injustos, em que era negado aos acusados o direito a escolher um advogado. Bobby Seale, Huey Newton, Angela Davis e Erika Huggins contam-se entre os presos políticos do Black Panther Party que mobilizaram forte apoio entre a comunidade. (...) as campanhas de desinformação levadas a cabo pelo FBI com o intuito de enfraquecer o Black Panther Party acabam porlevar à sua progressiva desagregação nos anos 80, sendo os seus membros mais proeminentes afastados e enfraquecidos. Vários membros do Black Panther Party foram ainda perseguidos e assassinados nos anos subsequentes, sendo que alguns deles (entre os quais Mumia Abu-Jamal) continuam nas prisões dos EUA."1

 

 "O movimento dos direitos civis afro-americanos conheceu grandes desenvolvimentos no período de 1955 a 1968. Uma época em que a segregação racial (com o sistema 'Jim Crow', que forçava a separação entre negros e brancos em locais públicos), a dificuldade dos negros no acesso ao voto, a discriminação na contratação de profissionais e numerosos casos de violência policial, eram realidades muito presentes nos EUA. Os movimentos dos direitos civis tiveram um importante papel na erradicação destes problemas, incitando a desobediência civil e a resistência pacífica enquanto métodos privilegiados. Martin Luther king foi uma das figuras seminais deste movimento, tendo ficado conhecido pela sua perseverança na luta pacífica pelos direitos dos negros, bem como pelos seus discursos inspiradores, que provocavam grande empatia junto das massas. Entre os meios de acção utilizados pelos movimentos dos direitos civis constam sitins, manifestações e boicotes, sendo um dos mais célebres o Montgomery Bus Boycott (1955), levado a cabo por Rosa Parks. Parks recusou-se a ceder o seu lugar a um passageiro branco num autocarro, o que suscitou desacatos com a autoridade. (...) Por fim, importa referir MalcomX enquanto figura de referência para o Black Panther Party (e, numa escala mais alargada, para todos os movimentos que reclamam a união das comunidades africanas). (...) Malcom X disponibiliza-se então para trabalhar em conjunto com os movimentos dos direitos civis, afirmando que deveriam, no entanto, alargar o seu espectro de acção e agir ao nível dos direitos humanos. As viagens fora dos EUA feitas por Malcom X levam-no a abraçar uma perspectiva global nas questões politicas dos direitos dos negros. Malcom X lança o apelo a uma união de todos os povos africanos e comunidades com raízes africanas, enquanto meio para sua libertação do jugo americano e europeu."2

 

 

1(2011). "The Black Panther Party (ideologia, campos de acção, história)" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora?. Lisboa

2(2011). "Civil Rights, Self-defense, Pan-africanismo" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora?. Lisboa

Bibliografia

(2011). "Angola 3" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora? Folhetos de exposiçao. Lisboa

(2011). "Black Power, Black Arts Movement" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora? Folhetos de exposiçao. Lisboa

(2011). "Civil Rights, Self-defense, Pan-africanismo" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora? Folhetos de exposiçao. Lisboa

(2011). "Emory Douglas" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora?, Folhetos de exposiçao. Lisboa

(2011). "Relaçoes internacionais do Black Panther Party" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora?, Folhetos de exposiçao. Lisboa

(2011). "The Black Panther Party (ideologia, campos de acção, história)" In: Galeria Zé dos Bois (ed.) All Power to the People Now. Então e Agora? Folhetos de exposiçao. Lisboa

 

CLEAVER, Eldridge, "On the Ideology of the Black Panther Party". The Black Panther Party, Pamphlet, 1970.

DAVIS, Angela (1981). Mujeres, raza y clase, Madrid, 2004, Ediciones Askal, S.A.

DAVIS, Angela (1971). "Political prisoners, prisons and black liberation". In: History is a weapon

NEWTON, Huey P. (1980). War Against The Panthers: A Study Of Repression In America. UC Santa Cruz.

"African patriotic armed struggle grows in strength". The Black Panther Newspaper (1969). The Black Panther Party, February, p.14. San Francisco: Ministry of Information 

"Essays from the minister of defense Huey Newton". The Black Panther Party, Pamphlet, 1968, Oakland.   

"The True Culture of Africa and Africans". The Black Panther Newspaper (1969). The Black Panther Party, February, p.15-17. San Francisco: Ministry of Information

The Black Panther Newspaper (1969). The Black Panther Party, vol.11, num.28. San Francisco: Ministry of Information 

The Black Panther Newspaper (1973). The Black Panther Party, vol.10, num.11, Oakland.

 

Huey P. Newton Foundation

A Huey P. Newton Story

History is a weapon

Marxist Internet Archive: The Black Panther Party

Marxist Internet Archive: Malcom X

 

 

 


Disruptiva’s diagram, as well as the selected materials contained in its archive, is published under the following Creative Commons licence: Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported. The materials contained in the archive consist of excerpts and quotations that remain the copyright of their respective authors.